quinta-feira, 28 de março de 2013

Missa do Crisma abre Quinta Santa na ArqRio



Com a Missa do Crisma e a renovação das promessas sacerdotais, a Arquidiocese do Rio de Janeiro iniciou a Quinta-Feira Santa, 28 de março. A Missa, realizada na Catedral de São Sebastião, foi presidida pelo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta e concelebrada pelos Bispos Auxiliares Dom Antonio Augusto Duarte, Dom Nelson Francelino, Dom Paulo Cezar, Dom Pedro Cunha, Dom Edson de Castro Homem, Dom Roque Costa Souza, Dom Luiz Henrique da Silva, pelo Bispo Auxiliar Emérito, Dom Assis Lopes e pelo Vigário Episcopal para a Vida Consagrada, Dom Roberto Lopes. Estiveram presentes também os Vigários Episcopais dos sete Vicariatos da Arquidiocese, além de demais sacerdotes, diáconos e seminaristas.
No início da celebração, Dom Orani saudou o povo de Deus que esteve presente e também os que acompanhavam pela Rádio Catedral e WebTV Redentor. Ele lembrou o fim da Quaresma e explicou o significado da Missa do Crisma, também conhecida como Missa dos Santos Óleos.
— Hoje nós nos reunimos para, enquanto Igreja do Rio de Janeiro, vivermos este momento de comunhão, unidade e compromisso. Terminamos a Quaresma e nos preparamos para começar o Tríduo Pascal rumo à Páscoa do Senhor. Celebramos a Missa do Crisma, onde abençoaremos os óleos que serão utilizados nos sacramentos e nossos sacerdotes também renovam os seus compromissos. Sabemos que o tempo da Quaresma é um momento da renovação batismal. Mas nessa Missa, temos a oportunidade de fazermos com que todos nós, sacerdotes, renovemos a nossa missão presbiteral, afirmou.
Durante a homilia, o Arcebispo destacou as dificuldades do sacerdócio dentro de uma sociedade com mudança de valores e com muitos problemas sociais, mas ressaltou os diversos sinais de Cristo que os impulsionam e trazem esperança durante a caminhada.
— Dentro da celebração de hoje gostaria de destacar dois pontos: um o Papa Francisco e todo o trabalho que ele já vem realizando dentro da missão que lhe foi confiada e o outro a nossa preparação e vivência da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013), que teremos a graça de sediar acolhendo milhares de peregrinos que farão uma experiência com Cristo. Creio que com essa moldura o Senhor nos tem apontado alguns aspectos que marcam a nossa vida: a necessidade de uma evangelização mais profunda ao mesmo tempo em que temos as dificuldades próprias de uma sociedade em mudança e muitos problemas sociais juntos. Os sacerdotes sabem e conhecem essa realidade de problemas onde estiverem ao mesmo tempo em que vivenciam muitos sinais de Cristo, sinais de esperança, ressaltou Dom Orani. 
O Arcebispo expôs ainda, durante a Celebração Eucarística, a comunhão existente entre o clero arquidiocesano, em especial, neste momento em que o Rio de Janeiro se prepara para recepcionar o Santo Padre, Papa Francisco, e milhões de peregrinos na JMJ Rio2013.
— Vejo que nossa unidade é vivenciada com atitudes concretas no “sentir com”, no sentir com a Igreja. Afirmamos aqui hoje essa comunhão que nos une na mesma fé. O Papa Francisco em sua homilia, hoje pela manhã, lembrava que essa unção que nós recebemos deve ser o odor de santidade, sendo nós também capazes de levar o odor das ovelhas. Que o Senhor nos leve cada vez mais a ser presença de Cristo aos irmãos. Uma santa e feliz Páscoa a todos, concluiu.
Durante a celebração, os sacerdotes renovaram as promessas presbiterais e, logo em seguida, Dom Orani abençoou os Óleos dos Catecúmenos, Crisma e Unção dos Enfermos, que serão usados durante todo o ano nas Igrejas do Rio. Após a consagração do Crisma, representantes de cada vicariato subiram ao altar, junto de seus respectivos vigários episcopais, e receberam os Santos Óleos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva no quadro ABAIXO seu comentário sobre esta postagem!

Translate