terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Solenidade da Mãe Deus abre o ano na Capela

Padre Eduardo Braga celebrou a primeira Missa de 2013 às 9h na Capela do Menino Deus. A Missa marcou os 269 da Capelinha primitiva de Jacinta e Francisca e 88 anos da reconstrução feita pelos vicentinos.


Que graça para nós começarmos o primeiro dia do ano contemplando este mistério da encarnação que fez da Virgem Maria a Mãe de Deus!

Este título traz em si um dogma que dependeu de dois Concílios, em 325 o Concílio de Nicéia, e em 381 o de Constantinopla. Estes dois concílios trataram de responder a respeito desse mistério da consubstancialidade de Deus uno e trino, Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem. 

No mesmo século, século IV, já ensinava o bispo Santo Atanásio: "A natureza que Jesus Cristo recebeu de Maria era uma natureza humana. Segundo a divina escritura, o corpo do Senhor era um corpo verdadeiro, porque era um corpo idêntico ao nosso". Maria é, portanto, nossa irmã, pois todos somos descendentes de Adão. Fazendo a relação deste mistério da encarnação, no qual o Verbo assumiu a condição da nossa humanidade com a realidade de que nada mudou na Trindade Santa, mesmo tendo o Verbo tomado um corpo no seio de Maria, a Trindade continua sendo a mesma; sem aumento, sem diminuição; é sempre perfeita. Nela, reconhecemos uma só divindade. Assim, a Igreja proclama um único Deus no Pai e no Verbo, por isso, a Santíssima Virgem é a Mãe de Deus. 

No terceiro Concílio Ecumênico em 431, foi declarado Santa Maria a Mãe de Deus. Muitos não compreendiam, até pessoas de igreja como Nestório, patriarca de Constantinopla, ensinava de maneira errada que no mistério de Cristo existiam duas pessoas: uma divina e uma humana; mas não é isso que testemunha a Sagrada Escritura. porque Jesus Cristo é verdadeiro Deus em duas naturezas e não duas pessoas, uma natureza humana e outra divina; e a Santíssima Virgem é Mãe de Deus.


No Vaticano, O papa Bento XVI rezou nesta terça-feira pela paz no mundo e condenou as desigualdades entre ricos e pobres, assim como o "capitalismo financeiro não regulado", durante a tradicional missa de ano novo, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.
Bento XVI afirmou que a humanidade tem "uma vocação inata para a paz"
O pontífice citou "os focos de tensão e de confronto provocados pela crescente desigualdade entre ricos e pobres e a predominância de uma mentalidade egoísta e individualista", que também seria uma das manifestações do "capitalismo financeiro não regulado".

Por outro lado, Bento XVI afirmou que a humanidade tem "uma vocação inata para a paz" e citou um trecho da Bíblia: "Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus". No dia 1º de janeiro, a Igreja Católica celebra a jornada mundial da paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva no quadro ABAIXO seu comentário sobre esta postagem!

Translate