sexta-feira, 30 de março de 2012

Domingo de Ramos terá horários diferentes na Capela

As Missas no próximo domingo, dia 01 de abril, em nossa comunidade serão excepcionalmente às 7h e 8:30h abrindo a Semana Santa com a Leitura da Paixão e distribuição de Ramos.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Santo Sudário é tema de exposição na Barra, Rio de Janeiro


santo sudário jesus cristo ressurreição
Neste evento, o Rio sedia a exposição (de 23 de Março a 6 de maio, no Via Parque Shopping, na Barra) com alguns objetos, tais como o fac-símile do Sudário produzido em Turim; a reconstituição artística do Homem do Sudário; o holograma em tamanho natural da imagem, produzido pelo cientista holandês Petrus Soons; réplicas dos flagelos; coroa de espinhos; lança e pregos produzidos em Israel. Além de contar com ilustrações de painéis, vídeos e infográficos que explicam, de forma dinâmica, o que cada estudo descobriu sobre o tema.
O Santo Sudário está guardado na catedral de Turim na Itália e reúne diversos estudos e misteriosas crenças, por causa da imagem semelhante ao rosto de Jesus Cristo impressa nele. Até o hoje, é um elemento muito estudado, envolvendo inúmeras disciplinas como arqueologia, palinologia, hematologia, medicina forense, microbiologia, história, semiótica, numismática, etc.
Estudiosos admitem existir grande coincidência entre as marcas impressas no tecido e o que os Evangelhos relatam sobre a Paixão de Cristo. A coincidência começa pelo fato de o lençol ter composição rudimentar da fibra que era produzida no antigo Egito e Síria. No tecido há diversas manchas de sangue humano do tipo AB, comum em judeus. A análise do sangue indicou uma substância cicatrizante do fígado, produzida quando o corpo é gravemente traumatizado. Através deste estudo, constataram-se também cromossomos do tipo X e Y, confirmando que seria uma pessoa do sexo masculino. Foram descobertos também certos pólens no Sudário. As espécies de plantas foram identificadas. Trata-se de plantas comuns do Vale do Jordão e Mar Morto, de lugares pedregosos ou salgados e regiões desérticas.
A análise médico-forense mostra que o homem do Sudário possuía altura entre 1,75 e 1,80 m. Com idade estimada de 37 anos de raça semítica. No lençol há marcas que indicam que o Homem do Sudário foi açoitado e os ângulos das feridas permitem deduzir que havia dois flageladores. Já na marca da cabeça, há cerca de quarenta feridas causadas por objetos pontiagudos. É fácil observar que este quadro é compatível com a cabeça de quem recebeu uma coroa de espinhos. Há também marcas de feridas nas mãos e pés, como se tivesse sido crucificado.
O grande mistério é que, apesar das marcas de sangue de feridas, o lençol não apresenta marcas de decomposição, ou seja, foi comprovado haver um cadáver, mas não há nada que demonstre que houve degeneração do corpo sob o lençol. As manchas de sangue mostram que o corpo ficou em contato com o lençol durante um período entre 30 e 40 horas. Mais um forte indício que se assemelha com o Evangelho.
Polêmico ou não, as coincidências são muitas de que o Homem do Sudário possa ter sido Jesus Cristo. Independentemente de religião e da fé, este objeto arqueológico tem imenso valor. Foi responsável por inúmeros estudos e inquietantes curiosidades. Trata-se de um lençol com valor histórico e rico para a cultura mundial.Para o Rio, não deixa de ser uma honra receber uma exposição de tamanha importância.
FONTE: RÁDIO CATEDRAL

domingo, 25 de março de 2012

Semana Santa na Capela do Menino Deus

DOMINGO DE RAMOS: Missas às 7:00 e 8:30
SEGUNDA-FEIRA: 18:00
TERÇA-FEIRA: 17:00
QUARTA-FEIRA: 18:00
QUINTA-FEIRA: Igreja fechada. As cerimônias serão na Paróquia Santo Antônio com a Missa do Lava-Pés e da Ceia do Senhor às 17:00
SEXTA-FEIRA: Adoração ao Santíssimo e Oração do Ofício das Leituras na Capela Menino Deus às 9:00. Às 14:30, sairá da Praça Cruz Vermelha, a procissão do Encontro em direção à Catedral de São Sebastião onde haverá o Ofício da Paixão às 15:00 seguida da Procissão do Senhor Morto pelas ruas do Centro e o Auto da Paixão nos Arcos da Lapa às 18:00.
SÁBADO: A Capela do Menino Deus ficará aberta das 9:00 às 11:00 para confissões e Ofício das Laudes. A Vigília Pascal será na Paróquia Santo Antônio às 17:00.
DOMINGO DE PÁSCOA: Missas às 8:00 e 9:00.

sábado, 17 de março de 2012

Convento de Santa Teresa acolhe mais uma carmelita

“Sentido na vida a minh’alma encontrou, escravo eu fui e hoje eu sou mais livre aos teus pés, agora eu posso declarar, hoje livre sou”. A canção “Hoje livre sou”, do cantor e compositor Walmir Alencar, foi tocada na ação de graças da profissão solene da carmelita descalça Flávia Gomes Cruz, de 25 anos, realizada na manhã de 10 de março, no Convento de Santa Teresa, no Rio de Janeiro.

A letra da canção pode até confundir quem foi à celebração ou quem chegar a visitar a religiosa, que atende num locutório, separado por duas grades de ferro. Nem no dia da profissão ela saiu da clausura, e agora, professa, vai ser sempre assim, até o fim de sua vida. Ela só poderá sair por extrema necessidade, como por exemplo, se precisar ir ao médico, para cuidar de sua saúde.

A decisão da Flávia de ficar “presa” em um carmelo, à semelhança de milhares de homens e mulheres que já fizeram essa opção na história da Igreja, não foi para isolar-se do mundo, mas para dar resposta a um chamado, para viver de forma concreta o sentido da liberdade dos filhos de Deus. A vocação monástica e, principalmente, a contemplativa é um estilo de vida que faz parte da tradição do povo de Deus, e tem contemplado a Igreja com grandes santos e santas.

— O carmelo é um campo fértil de oração e de contemplação. Aqui não entra quem quer descansar ou fugir do mundo. Nem quem vive ou já passou por uma frustração, mas somente quem quer buscar a Deus, disse Flávia.

A Ordem Carmelita tem seu berço no Monte Carmelo, na Palestina, onde Elias, o maior profeta do Antigo Testamento, seguiu uma vida de oração e silêncio. O eremita mais conhecido é Santo Antão, que viveu no quarto século, considerado o pai da vida monástica. A reforma do carisma carmelita é atribuída a Santa Teresa de Ávila, no século 16, na Espanha, carinhosamente chamada por seus seguidores como Santa Madre.

Inquieto, o coração de Flávia só encontrou o sentido da vida quando concretamente conheceu a Deus. A sua trajetória, até chegar ao momento da profissão religiosa, é de uma profunda experiência do amor de Deus: “Tenho sede da tua graça, cada dia mais. Sou mais forte e vou mais longe quando aqui estás. Com palavras de amor te adoro, Senhor”.

Fluminense de São Gonçalo, Flávia nasceu em 31 de março de 1986, filha do mecânico Jorge Cruz e de Elizabete Gomes Cruz. De família católica não praticante, tem mais um irmão e duas irmãs.

Sempre gostou de esportes e música. Tinha o hábito de dançar, de ir à praia. Quando estudante do Colégio Amaral Peixoto, chegou a ganhar uma medalha de ouro na modalidade de arremesso de peso, numa competição entre escolas intermunicipais.

Ainda adolescente, fez o catecumenato na Paróquia São Judas Tadeu em preparação ao Crisma, que recebeu em 12 de outubro de 2003. No dia, sem entender a razão, ganhou de um rapaz desconhecido um santinho de Santa Teresinha do Menino Jesus e um livro de sua biografia: “História de uma alma”. Para complementar a preparação, chegou a fazer um curso de orientação religiosa.

Engajada na vida da Igreja, começou a frequentar o grupo de jovens Adonai. Sempre que podia, estava presente nos eventos promovidos pela Toca de Assis.

A sua vida ficou “desconcertada” quando participou em janeiro de 2004, a convite de uma amiga, de um retiro vocacional, promovido pelo Seminário de São José, da Arquidiocese de Niterói. Ao se sentir tocada pelo amor e pelo chamado de Deus chorou muito, mas saiu do encontro determinada a mudar o rumo de sua vida.

Comprometida em casamento, a primeira coisa que fez foi terminar o namoro de dois anos e oito meses, no dia do noivado, contrariando a família.

Por incentivo do diretor espiritual, Padre Giancarlo de Assis, de Niterói, fez, durante 18 meses, um curso de enfermagem. Para pagar as mensalidades, trabalhou como babá e numa clínica de estética. Ao fazer estágio em um hospital, as colegas a censuravam ao ver sua participação diária na missa e por se confessar toda a semana. Depois de visitar o Carmelo da Santíssima Trindade, em Tanguá, foi no Carmelo São José, em Jacarepaguá, que teve sua primeira experiência com a vida monástica, trabalhando como enfermeira. Chegou trêmula, sem saber como se comportar em uma “casa de gente santa”, mas ficou confortada quando uma religiosa disse: “Não se preocupe, nossa vida é simples como a de uma dona de casa.”

Como parte de seu estágio, permaneceu no carmelo durante oito meses, cuidando de uma religiosa de 100 anos que muito a impressionou:

— Ela fala do seu amor a Deus e ao carmelo como se fosse ainda uma postulante.

Apesar dos pais reclamarem do salário que não condizia com o trabalho, fez questão de aproveitar a oportunidade da amizade das religiosas.

— Antes do carisma, houve um encantamento pelas coisas da Igreja. Foi muito importante ser acolhida em uma comunidade paroquial, também por ver a alegria dos seminaristas e o esforço que faziam em vista à ordenação. Foi no engajamento da Igreja que conheci o carmelo, disse Irmã Flávia.

No dia 11 de março de 2006, Flávia ingressou no Convento de Santa Teresa, no bairro que leva o nome da santa padroeira. Na época, a irmã caçula, que era cuidada por ela como uma filha, entrou em depressão e teve que ser internada. Os pais, que tinham confiança nela por sempre tomar a frente das coisas, aceitaram e respeitaram a sua decisão.

— Não deixaria nada se não tivesse recebido o chamado, sobretudo, o dom da vocação. Eu, que sempre fui curiosa, tive a oportunidade de conhecer a Deus no retiro vocacional. Toda escolha comporta uma renúncia. Era passar o fim de semana na praia ou dizer sim a Deus, pontuou.

Foram seis anos de formação e de adaptação ao carisma, entre o postulantado, o noviciado canônico e o da comunidade, e mais três anos de estudos dos santos da ordem, de mariologia, das Sagradas Escrituras e da formação humana.

— Só se conhece o carmelo vivendo no carmelo. É muito mais do que se imagina. Estou há seis anos, mas têm irmãs que estão há 60 anos. Pela vida de oração, contemplação e no trabalho diário vamos tendo e fazendo cada vez mais a experiência do amor de Deus, afirmou irmã Flávia.

O dia ordinário no carmelo começa às 4h35, com o convite da matraca a renovar a consagração a Deus. O dia é dividido em oração, trabalho e estudo até as 20h30, quando começa o silêncio monástico, seguido do apagar das luzes.

A profissão religiosa foi presidida pelo Vigário Episcopal para a Vida Consagrada, o beneditino Dom Roberto Lopes, tendo como concelebrantes o Padre Mario Antônio Barbosa Filho, o Frei André da Cruz e o capelão das carmelitas, Padre Silmar Alves Fernandes, que ocupa o ofício desde agosto de 2010. A celebração foi marcada por mensagens do Arcebispo Dom Orani e do Papa Bento XVI.

— Sempre me senti muito amada por Deus através do carinho das pessoas. O carmelo é uma casa de oração, onde podemos servir a Deus, à Igreja e à humanidade. Ao fazer a experiência de liberdade dos filhos de Deus, hoje livre sou. Desejo que o meu viver seja um ato de gratidão, de amor a Deus. O amor pelo amor. Não vivendo na emotividade, mas no serviço, sobretudo na vivência da fé, da esperança e da caridade, concluiu a Irmã Flávia.

FONTE - Carlos Moioli (Portal da Arquidiocese do RJ

Agradecimentos à Folha do Centro

Mais uma vez agradecemos o apoio do Jornal Folha do Centro que divulgou na edição 186 do mês de março/2012 as inscrições para a catequese em nossa comunidade. Outrossim, informamos uma nota na mesma edição desfazendo o mal entendido da edição anterior sobre a Paróquia Santo Antonio dos Pobres que saiu na edição anterior. Isso é uma prova de respeito e profissionalismo de todo o grupo. Obrigado.

Leia a Folha do Centro on-line: http://www.jornalfolhadocentro.com.br/

segunda-feira, 12 de março de 2012

Igreja de Santo Antônio dos Pobres na BAND

http://mais.uol.com.br/view/99at89ajv6h1/escavacoes-em-igreja-descobrem-parte-da-historia-do-rio-04028C18336EDCA92326?types=A&




domingo, 11 de março de 2012

São Basílio, no Centro, recebe melhorias

O local que hoje encontra-se a Igreja Melquita de São Basílio foi doado por Philippe Gebara e teve a Igreja construída e aberta em 1940. Tal Igreja tornou-se a primeira melquita do Brasil. Em 1946, o então Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal D. Jaime de Barros Câmara, elevou a Igreja à condição de Paróquia.

A Paróquia de São Basílio já hospedou o Patriarca Melquita Máximo IV em sua visita ao Brasil em 1955 e mais recentemente em 2010 o Patriarca Gregorios III. Dom Orani Tempesta, Arcebispo do Rio celebrou no Domingo de Ramos em 2009 em visita à Igreja.

Gregorios III em visita em 2010
O atual pároco da Igreja é o Monsenhor George Khoury que inclusive já foi capelão da Capela do Menino Deus de 2005 a 2009.


Desde que chegou à Igreja há quase dez anos, Padre George organizou melhorias no templo que encontrava-se deteriorado pelo tempo e que quase não havia manutenção. Logo, conseguiu  com a ajuda da comunidade a pintura interna e externa e a limpeza do piso da Igreja. Mas, nos últimos dois anos, as melhorias foram mais intensas com a limpeza do mármore, restauração de todo presbitério, do coro, lustres, sacristia e da casa paroquial.


Instalação do ar-condicionado
Recentemente, três ar-condicionados foram instalados e uma porta de vidro colocada na entrada da Igreja. Refletores iluminam a fachada de noite chamando a atenção de quem passa pela rua.


Outra alegria, foi a restauração do sino na torre da Igreja que data de 1950 e contêm belíssimas imagens gravadas em auto relevo. O sino da Igreja estava abandonado não se sabe a quantos anos e depois de restaurado ele toca de hora em hora.


Sino após restauração
Outra novidade que está chegando na próxima quarta-feira, 14 de março, é a estréia da Web TV e Web rádio da Paróquia. Uma câmera que gira 360 graus foi instalada no alto da Igreja e transmitirá as celebrações ao vivo pelo novo site da Igreja que entrará no ar no mesmo dia.


Padre George celebra Missa de segunda à sexta as 12:30h e aos domingos às 11h no Rito Melquita e às 17h no Rito Latino. O endereço é na Rua República do Líbano, 17 e fica situada entre a Praça Tiradentes e Campo de Santana no Centro do Rio de Janeiro.

sábado, 3 de março de 2012

Catequese abre inscrições na Capela do Menino Deus

A nova turma de catequese começará no próximo sábado, 10 de março, as 10:30h no salão da Igreja. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas no horário dos encontros aos sábados as 10:30 e aos domingos após a Missa das crianças as 9h com Conceição Assunção ou Reginara Guimarães.

Para maiores informações, ligue para a Igreja pelo telefone 2242-0460 ou envie e-mail para capeladomeninodeus@gmail.com

A Capela do Menino Deus fica na Rua do Riachuelo, 75, no Centro do Rio e próxima aos Arcos da Lapa.

Translate