sexta-feira, 15 de abril de 2011

Semana Santa na Catedral Metropolitana

No Domingo de Ramos, dia 17 de abril, começa a Semana Santa. Este é o momento do ano mais importante para o cristão: viver a vitória de Cristo, que garante a salvação. Por isso, entenda as celebrações, confira a programação e participe.

Domingo de Ramos
O Domingo de Ramos dá início à Semana Santa e lembra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, aclamado pelos judeus. A Igreja recorda os louvores da multidão cobrindo os caminhos para a passagem de Jesus com ramos e proclamando: “Hosana ao Filho de David. Bendito o que vem em nome do Senhor”. (Lc 19, 38 – MT 21, 9). Com esse gesto, portando ramos durante a procissão, os cristãos de hoje manifestam sua fé em Jesus como Rei e Senhor.

Quinta-feira Santa
Neste dia, os cristãos celebram a instituição do Sacramento da Eucaristia. Jesus, desejoso de deixar aos homens um sinal da sua presença antes de morrer, instituiu a Eucaristia. Na Quinta-feira Santa, dois grandes acontecimentos:

- Bênção dos Santos Óleos

O motivo de se fixar tal celebração na Quinta-feira Santa deve-se ao fato de ser este último dia em que se celebra a missa antes da Vigília Pascal. São abençoados o Óleo do Crisma, Óleo dos Catecúmenos e o Óleo dos Enfermos.

- Instituição da Eucaristia e Cerimônia do Lava-pés

Com a Missa da Ceia do Senhor, celebrada na tarde de quinta-feira, a Igreja dá início ao chamado Tríduo Pascal e comemora a Última Ceia, na qual Jesus Cristo, na noite em que vai ser entregue, ofereceu a Deus-Pai o seu Corpo e Sangue sob as espécies do Pão e do Vinho, e os entregou para os Apóstolos para que os tomassem, mandando-lhes também oferecer aos seus sucessores. Nesta missa faz-se, portanto, a memória da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio. Durante a missa ocorre a cerimônia do Lava-Pés, que lembra o gesto de Jesus na Última Ceia, quando lavou os pés dos seus apóstolos. O sermão desta missa é conhecido como sermão do Mandato ou do Novo Mandamento e fala sobre a caridade ensinada e recomendada por Jesus Cristo. No final da Missa, faz-se a chamada Procissão do Translado do Santíssimo Sacramento ao altar-mor da igreja para uma capela, onde se tem o costume de fazer a adoração do Santíssimo durante toda a noite.

Sexta-feira Santa
Na Sexta-feira Santa celebra-se a paixão e morte de Jesus Cristo. O silêncio, o jejum e a oração devem marcar este dia que deve ser vivido com profundo respeito diante da morte do Senhor, que foi vitorioso e trouxe a salvação para todos, ressurgindo para a vida eterna. Às 15 horas, horário em que Jesus foi morto, é celebrada a principal cerimônia do dia: a Paixão do Senhor. Ela consta de três partes: liturgia da Palavra, adoração da cruz e comunhão eucarística. Depois deste momento não há mais comunhão eucarística até que seja realizada a celebração da Páscoa, no Sábado Santo.

- Ofício das Trevas

Trata-se de um conjunto de leituras, lamentações, salmos e preces penitenciais. A igreja fica às escuras tendo somente um candelabro triangular, com velas acesas que se apagam aos poucos durante a cerimônia.

- Sermão das Sete Palavras

Neste momento, lembram-se as últimas palavras de Jesus, no Calvário, antes de sua morte. Neste dia, não se celebra a Santa Missa. Por volta das 15 horas celebra-se, nas igrejas, a Solene Ação Litúrgica comemorativa da Paixão e Morte de Jesus Cristo. À noite, as paróquias fazem encenações da Paixão de Jesus Cristo e, em seguida, a Procissão do Enterro, levando o esquife com a imagem do Senhor morto.

Sábado Santo
No Sábado Santo a principal celebração é a “Vigília Pascal”.

- Vigília Pascal

Inicia-se na noite do Sábado Santo em memória da noite santa da ressurreição gloriosa de Jesus Cristo. É a chamada “A mãe de todas as santas vigílias”, porque a Igreja mantém-se de vigília à espera da vitória do Senhor sobre a morte. Cinco elementos compõem a liturgia da Vigília Pascal: a benção do fogo novo e do círio pascal; a proclamação da Páscoa, que é um canto de júbilo anunciando a Ressurreição do Senhor; a liturgia da Palavra, que é uma série de leituras sobre a história da Salvação; a renovação das promessas do Batismo e, por fim, a liturgia Eucarística.

Domingo de Páscoa

A palavra páscoa vem do hebreu Peseach e significa “passagem”. Era vivamente comemorada pelos judeus do antigo testamento. A Páscoa que eles comemoram é a passagem do mar Vermelho, que ocorreu muitos anos antes de Cristo, quando Moisés conduziu o povo hebreu para fora do Egito, onde era escravo. Chegando às margens do Mar Vermelho, os judeus, perseguidos pelos exércitos do faraó teriam de atravessá-lo às pressas. Guiado por Deus, Moisés levantou seu bastão e as ondas se abriram, formando duas paredes de água, que ladeavam um corredor enxuto, por onde o povo passou. Jesus também festejava a Páscoa. Foi o que Ele fez ao cear com seus discípulos.
Condenado à morte na cruz e sepultado, ressuscitou três dias após, num domingo, logo depois da Páscoa judaica. A ressurreição de Jesus Cristo é o ponto central e mais importante da fé cristã. Através da sua ressurreição, Jesus prova que a morte não é o fim e que Ele é, verdadeiramente, o Filho de Deus. O temor dos discípulos em razão da morte de Jesus na Sexta-Feira transforma-se em esperança e júbilo. É a partir deste momento que eles adquirem força para continuar anunciando a mensagem do Senhor. São celebradas missas festivas durante todo o domingo.

Veja a programação da Catedral:
Domingo de Ramos (17 de abril)

9h - Benção dos Ramos, Procissão e Missa Solene
Oficiante: Arcebispo Dom Orani João Tempesta

Quinta-feira Santa (21 de abril)
9h - Missa Solene com sagração do óleo do crisma e benção dos santos óleos
Oficiante: Arcebispo Dom Orani João Tempesta

18h - Missa da Ceia do Senhor e, após, Adoração ao Santíssimo Sacramento
Oficiante: Monsenhor Aroldo da Silva Ribeiro, pároco

Obs.: O Arcebispo Dom Orani João Tempesta presidirá a Solenidade da Ceia do Senhor na Igreja Nossa Senhora da Candelária, no Centro, às 18h

Sexta-feira da Paixão (22 de abril)
15h - Solene Ofício da Paixão e Morte do Senhor
Oficiante: Arcebispo Dom Orani João Tempesta

17h30m - Procissão do Senhor Morto

Sábado (23 de abril)
20h- Vigília Pascal e Missa Solene
Oficiante: Arcebispo Dom Orani João Tempesta

Domingo de Páscoa (24 de abril)

10h
 - Missa Solene no Primeiro Domingo do Tempo da Oitava da Páscoa
Oficiante: Arcebispo Dom Orani João Tempesta
11h45m - Confraternização e almoço pascal da população de rua, com a participação e bênção do Arcebispo Dom Orani João Tempesta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva no quadro ABAIXO seu comentário sobre esta postagem!

Translate