segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Missa na Paróquia no Domingo de Carnaval

A Capela do menino Deus estará fechada nos dias do carnaval e por isso poderemos participar no Domingo de Carnaval da Missa na nossa Paróquia de Santo Antônio dos Pobres na Rua dos Inválidos, 37. Haverá duas Missas no domingo dia 06/03 as 8:30 e 10:00.

A Capela volta abrir dia 09 com a Missa das Cinzas as 6 horas da tarde com a presença de toda a comunidade.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Encontro da PasCom do Vicariato Urbano

Foi realizado no último sábado, dia 26 de fevereiro, na Paróquia de Santo André, em São Cristóvão, o I Encontro da Pastoral da Comunicação do Vicariato Urbano. O Encontro contou com a presença do vigário episcopal Padre José Laudares, do coordenador arquidiocesano da Pascom Padre Marcio Queiroz, e do animador da pastoral no Vicariato Urbano Padre Julio Cesar e o Diácono permanente Gilvan Francisco. Também estiveram presentes os representantes das Paróquia de Sant´Ana, Santo Antonio dos Pobres, Santo André, Sagrada Família, Candelária e São Januário.

Padre José abriu a reunião saudando os presentes e reforçando todo o apoio que sempre foi dado à pastoral desde o início de suas atividades no vicariato, o que ocorreu em 2008, sempre atendendo as diretrizes da Arquidiocese. Ele destacou a criação do blog do vicariato como uma das primeiras atividades da Pascom.

Padre José Laudares deu início ao encontro
Em seguida Padre Marcio apresentou a definição e os objetivos da Pastoral da Comunicação. Ele destacou que a Pascom não é uma nova pastoral, mas uma valorização de todas as ações pastorais já existentes. A Pascom vem para fortalecer a unidade e estabelecer laços.

Padre Márcio Queiroz
- Todos tem seu espaço e precisam ser valorizados, frisou.

Padre Marcio também explicou que a Pascom deve apresentar assuntos sobre o que acontece ao redor da igreja, temas ligados à sociedade em geral. Para finalizar, ele informou que essa pastoral passa por dentro de todas as pastorais, movimentos e serviços, informando e informando-se:

- A Pascom é um instrumento conciliador e facilitador da comunhão, concluiu.

Padre Julio apresentou as atividades já programadas que envolvem o vicariato, destacando a importância de mobilização das paróquias onde já está formada a Pascom, e o estímulo a ser dado para aquelas que ainda não contam com essa instrumento de evangelizador.

Padre Julio Cezar
Entre as atividades divulgadas, destaque para as oficinas voltadas para a formação dos agentes do Vicariato, que vão acontecer no decorrer de 2011, na Paróquia de Sant'Ana, no Centro, a seguir relacionadas:

09 de abril - Internet e Linguagem
07 de maio - Cineclube
20 de agosto - Espiritualidade
08 de outubro - Meio de comunicar Cristo

Outro evento importante e que contará com a participação e envolverá os agentes da Pascom de toda a Arquidiocese é o 7º Muticom - Mutirão Brasileiro de Comunicação, seu será realizado na PUC-Rio, entre os dias 17 e 22 de julho. Um encontro de porte nacional onde será possível a troca de experiências entre os diversos representantes das diversas dioceses que existem no Brasil, além de participação em oficinas cuidadosamente programadas para capacitar e palestras com especialistas nas várias áreas da comunicação.

Fotos e Texto: Victor Gonzalez e Marcos Arzamendia

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Capela fechada no Carnaval

A Capela do Menino Deus ficará fechada de sexta-feira à terça- feira (dias 04, 05, 06, 07 e 08 de março de 2011) em virtude do carnaval. O motivo do fechamento nessa época é devido ao grande barulho provocados na rua Riachuelo com passagens frequentes de blocos carnavalescos durante esses dias. Aproveitamos para participar das Missas em nossa Paróquia de Santo Antônio dos Pobres na Rua dos Inválidos, 37.

Outrossim informamos que a Missa de Quarta-feira de Cinzas no dia 09 de março será as 18 horas e marcará o início da Quaresma e da Campanha da Fraternidade 2011 que terá como tema esse ano "Fraternidade e vida no Planeta".

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Dom Pedro da Cunha Cruz é o novo Animador do Vicariato Urbano

Conforme publicado hoje no Portal da Arquidiocese do Rio, Dom Pedro Cunha Cruz, um dos três novos Bispos Auxiliares, é o novo Bispo animador de nosso Vicariato Urbano. Dom Pedro conhece bem o Vicariato Urbano já tendo sido pároco da Igreja de Santa Teresa e da Igreja de Santa Rita, ambas localizadas no Centro do Rio.

- ... Passei quase 15 anos do meu ministério sacerdotal no Vicariato Urbano e conheço também seus diversos contrastes, a ação na Pastoral de transeuntes nas Igrejas do Centro, além do perfil devocional da região..., declarou Dom Pedro.

Na mesma publicação divulgada, o atual Vigário Episcopal do Urbano, Padre José Laudares de Ávila, permanecerá com sua ocupação.

Sexta Musical: Segura a minha mão


Música: Segura a minhão mão
Intérprete: Davison Silva (Sholom)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Curiosidades Católicas: Pala

No Catolicismo a Pala é uma tira geralmente de papelão (em formato retangular), coberto de tecido (geralmente de linho branco) que é utilizado para cobrir o cálice que contém o vinho utilizado nas Missas. Ela tem uma proteção para não cair impurezas dentro do sangue de Cristo, como poeiras ou insetos. Ela se coloca sobre a patena antes de se estender o corporal e preparar o cálice no altar.

Diz a história que a pala surgiu após um Padre está celebrando uma Missa e uma aranha caiu dentro do cálice que já estava com o vinho consagrado, ou seja, o sangue de Cristo fazendo com que o Padre bebesse do cálice com aranha e tudo.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Divulgação sai no Portal da Arquidiocese

Clique na imagem para ampliar

As inscrições estão abertas para a Catequese, na Capela do Menino Deus, que fica à Rua Riachuelo, 75, no Centro do Rio. Mais informações: 2242-0460.

As inscrições para Crisma, Perseverança e Catequese também estão abertas na Paróquia de Santo Antônio dos Pobres, que fica à Rua dos Inválidos, 42, no Centro do Rio. Mais informações: 2222-2586.

Fonte: Portal da Arquidiocese do Rio

Cresce o número de Católicos no mundo

Aumenta o número de batizados no mundo (cerca da metade dos católicos vive no continente americano), assim como o de sacerdotes e seminaristas, enquanto se registra uma ligeira diminuição no número de religiosas.

Esta é a informação geral oferecida pelo Anuário Pontifício 2011, apresentado no último sábado a Bento XVI pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado vaticano, e pelo arcebispo Fernando Filoni, substituto da Secretaria de Estado para Assuntos Gerais.
As estatísticas de 2009 oferecem uma visão sintética das principais dinâmicas da Igreja Católica nas 2.956 circunscrições eclesiásticas do mundo: os fiéis batizados no mundo passaram de 1.166 bilhão, em 2008, para 1.181 bilhão, em 2009, com um aumento absoluto de 15 milhões de fiéis e um percentual de 1,3%.

A distribuição de católicos entre os continentes é muito diferente da distribuição da população.
A América, de 2008 a 2009, manteve na população uma incidência constante no total global semelhante a 13,6%, enquanto os católicos (na América) alcançaram, em dois anos, 49,9% do número de católicos no mundo.

Na Ásia, o aumento foi de aproximadamente 10,6%, mas este é significativamente menor que o do continente no que se refere à população mundial (60,7%).

A Europa tem um peso de população inferior de três pontos percentuais da dos EUA, mas sua incidência no mundo católico é de 24%, ou seja, quase a metade da dos países americanos.
Tanto para os países africanos como para os da Oceania, o peso da população com relação ao total é um pouco diferente da dos católicos (15,2 e 0,8%, respectivamente, para a África e a Oceania).

O número de bispos no mundo passou, de 2008 a 2009, de 5.002 a 5.065, com um aumento de 1,3%.

O continente mais dinâmico é o africano (1,8%), seguido pela Oceania (1,5%), enquanto abaixo da média como um todo está a Ásia (0,8%) e a América (1,2%). Na Europa, o aumento foi de cerca de 1,3%.

A população sacerdotal mantém uma taxa de crescimento moderado, inaugurado em 2000, após um longo período de resultados decepcionantes.

O número de sacerdotes, tanto diocesanos como religiosos, aumentou durante os últimos dez anos 1,34% em todo o mundo, passando de 405.178, em 2000, para 410.593, em 2009.
Em especial, em 2009, o número de sacerdotes aumentou 0,34% em relação a 2008.
Este aumento segue uma queda de 0,08% do clero religioso e o aumento de 0,56% do diocesano. A queda percentual afetou apenas a Europa (0,82% para os diocesanos e 0,99% para os religiosos), visto que, em outros continentes, o número de sacerdotes, em geral, aumentou.

Com exceção da Ásia e da África, o clero religioso diminuiu em todos os lugares.
Os diáconos permanentes aumentaram mais de 2,5%, passando de 37.203, em 2008, para 38.155, em 2009.

A presença dos diáconos melhora na Oceania e na Ásia, com ritmos elevados: na Oceania, os diáconos não atingem ainda 1% do total, com 346 unidades, em 2009, e na Ásia registram um aumento de 16%.

Os diáconos também aumentaram em áreas onde sua presença é mais importante quantitativamente. Nos Estados Unidos e na Europa, onde, em 2009, residia cerca de 98% da população total, os diáconos cresceram, respectivamente, de 2,3 a 2,6%.

No entanto, houve uma diminuição entre as religiosas professas. Em 2008, elas eram 739.068 em todo o mundo, reduzindo-se, em 2009, para 729.371.

A crise, portanto, permanece, apesar da África e da Ásia, onde há um aumento.

O número de candidatos ao sacerdócio no mundo subiu 0,82%, passando de 117.024 unidades, em 2008, para 117.978, em 2009. Grande parte do aumento é atribuído à Ásia e à África, com taxas de crescimento de 2,39% e 2,20%, respectivamente. A Europa e a América registraram uma contradição, respectivamente, de 1,64 e 0,17%, no mesmo período.

Fonte: Bíblia Católica News

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Paróquia Nossa Senhora da Candelária

Igreja de N. Sra. da Candelária
Endereço: Praça Pio X, Avenida Presidente Vargas, S/N
Autor(es) do projeto: Engenheiro Sargento Mor Francisco João Roscio (1774); Engenheiro Gustavo Waehneldt (1865); Arquiteto Francisco Joaquim Bethencourt da Silva (1868); Arquiteto Evaristo Xavier Veiga (1874); Arquiteto Daniel Ferro Cardoso (1874); Engenheiro Antônio de Paula Freitas.
Datas: Projeto: (1774); Início das obras: (1775); Construção da cape1a mor: (1804); Inauguração do templo: (1811); Reinício das obras: (1851); Construção do tambor da cúpula: (1865); Reinício das obras da cúpu1a: (1874); Conc1usão da cúpu1a: (1877); Construção das naves laterais: (1878).
Decoração interna: A decoração interna foi iniciada ainda no século XVIII, tendo sido encarregado dela o Mestre Valentim da Fonseca e Silva. Estes trabalhos não mais existem e não se sabe como eram. Em 1813 foi erguida a capela do Santíssimo e em1820 a capela de N. Sra. das Dores. O trabalho foi interrompido em 1829 e só recomeçou em 1841. O Batistério foi esculpido por Mestre Manoel Ferreira Nunes. Os púlpitos são obras do Mestre Pinto do Couto. Os altares são obras de mestres italianos pouco conhecidos. Os primeiros estuques foram executados por Mestre Manoel Meira. Em 1870 foram instalados no tambor da cúpula oito estátuas de mármore branco executadas em Lisboa. Em 1896 o pintor João Zeferino da Costa executou os oito painéis da cúpula, historiando os faustos da igreja. Em 1902 foi colocada a porta de entrada, executada em Lisboa.
Estilos: A igreja é de estilo Barroco Pombalino, bastante calcada na Basílica da Estrela em Lisboa, construída no mesmo período. A cúpula é neoclássica e as fachadas laterais são ecléticas. A decoração interna é em sua maior parte em estilo neoclássico italiano. Os púlpitos são em estilo art-nouveau, assim como a porta.
Caracterização: A igreja foi descaracterizada em escala em 1943, quando foi aberta a Avenida Presidente Vargas, cujos prédios apequenaram-lhe a escala.
Proteção existente: É tombada pelo S.P.H.A.N.
Resenha histórica: A capela de N. Sra. da Candelária foi ereta em 1634 em ex-voto, por um pedido feito em alto mar, durante uma tempestade, por Antonio Martins da Palma e Leonor Gonçalves. Ainda em 1634 a capela foi convertida em sede de paróquia. Em 1710 a igreja já estava em estado lastimável e em 1768 estava arruinada. Em 1774 foi decidida a reconstrução. Em 1811 o príncipe regente D. João VI inaugurou o novo templo, apesar de ainda estar muito incompleto. A igreja ficou em obras por todo o século XIX, havendo diversos intervalos em que tudo andou parado. O Barão de Guaratiba passou a patrocinar a construção a partir de 1851, dando certa regularidade aos trabalhos. O número de engenheiros, arquitetos, mestre de obras e artistas que ali labutaram foi imenso, sendo que muitos são anônimos. Em 1902 com a colocação da porta de entrada a igreja foi dada como concluída. Em 1938 foi resolvida a construção da Avenida Presidente Vargas. Inicialmente pensou-se em demolir a igreja, pois esta ficava bem no eixo da futura avenida. Posteriormente ela foi preservada. Também tentaram removê-la e houve até quem propusesse girá-la sobre o próprio eixo para que ficasse de frente para a avenida. Felizmente tudo não saiu do papel e o templo foi preservado, malgrado a perda de escala por parte dos elevados prédios que a ladeiam.



Fotos: Ariel Carvalho
Texto: Blog RememorArte

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Micareta Católica foi a sensação do último domingo

A primeira micareta católica do Rio de Janeiro cada vez faz mais sucesso. Em sua quarta edição, no último domingo, 20 de fevereiro, cerca de 15 mil foliões se divertiram e testemunharam Cristo no clima do carnaval. Em Campinho, sob sol de 40 graus, católicos juntaram a fé com a cultura carioca e deu muito samba.

Antes dos shows, os fiéis participaram da Santa Missa, na quadra da Escola de Samba Tradição, presidida pelo Arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, e concelebrada pelo Bispo Animador da Pastoral da Juventude, Dom Antonio Augusto Duarte, e ainda por diversos sacerdotes.

Ao proferir a homilia, Dom Orani disse que a Celebração da Eucaristia do dia era uma boa notícia e também um desafio. Ele explicou que se tratava de uma boa notícia, pois aquele que segue Cristo tem uma maneira nova de ser.

- Somos chamados a viver conforme a Palavra nos indica, buscando a santidade. Hoje, vocês estão aqui para um momento de confraternização. A música faz parte do jeito de ser carioca. A proposta de viver esse momento é uma forma de perguntar: "como podemos viver a santidade nessa alegria?", direcionou o Arcebispo.


Dom Orani também lembrou o tema da Campanha da Fraternidade 2011 “Fraternidade e a Vida no Planeta”. Ele destacou a responsabilidade de cada um na preservação do meio ambiente e orientou os foliões para não jogarem lixo na rua. Insistiu para que, no decorrer do evento, após beberem água, os cristãos pudessem mesmo jogar as garrafinhas nas lixeiras.

Depois da missa, Dom Orani e Dom Antonio Augusto subiram no trio elétrico, que estava localizado na Avenida Intendente Magalhães. Eles desejaram um momento de alegria, fraternidade e responsabilidade.

- Na alegria de sermos amados por Deus, transmitindo a alegria que vem do coração cheio de Deus, desejo uma boa folia para todos, disse o Arcebispo que, junto com o povo, pediu a intercessão do Espírito Santo.

Dom Orani ganhou do organizador do evento, Padre Renato Martins, uma camisa da Jornada Mundial da Juventude. Padre Renato, pediu que os jovens mostrassem a alegria do povo carioca, para quem sabe, o Rio sediar a JMJ em 2013. Ele também cantou um samba composto especialmente para o evento.

A primeira banda a se apresentar foi a Alto Louvor, da Comunidade Shalom de Salvador. No ritmo da música baiana, os foliões louvaram a Deus e se divertiram. Vestidos com abadás, que no evento ganharam o nome de AbáDeus — cuja venda ajudou a pagar o evento — os presentes mostraram que não era preciso álcool e nem drogas para curtir o carnaval.


- Neste clima não é preciso nada para animar, apenas o coração aberto para receber as mensagens que estão sendo transmitidas. Só preciso beber água para hidratar e curtir a folia, disse Neiva Figueiredo, 37 anos, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima e Santo Antônio de Lisboa, na Taquara.

E água não faltou. Atrás do trio, um caminhão vendeu água mineral, e também um caminhão pipa, jogou água a todo o momento para refrescar os foliões.

O vocalista da banda Alto Louvor, Itamar Santos, ficou bem impressionado com a alegria do carioca e disse que, através das músicas católicas, sem sensualidade e sem apelação, era possível mostrar a alegria de ser cristão.


Em seguida, já com o trio elétrico andando pela Avenida tradicional do carnaval suburbano, foi a vez da apresentação da Banda Promessas de Fátima, que cantou noite adentro.

- Esta é a quarta vez que venho ao evento. Fico contando os dias para a Folia... Deveria acontecer mais vezes, desejou Maria Eduarda de Oliveira, 22 anos, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Campinho.

O tema principal do evento foi a abertura das comemorações dos 80 anos do Cristo Redentor, e, também por isso, o Reitor do Santuário do Cristo, Padre Omar Raposo, interpretou músicas que homenageiam o Redentor.

A Folia com Cristo já faz parte do Calendário Arquidiocesano e deu as boas vindas ao carnaval 2011.

*Fotos: Carlos Moioli
*Texto: Leanna Scal

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Capela fica lotada após o fim do Horário de Verão

Hoje, dia 20 de fevereiro, foi o primeiro dia já sem o horário de verão. E por causa disso muitas pessoas nem se lembraram de atrasar o relógio e isso fez com que a Capela ficasse lotada na Missa das 8 horas, pois no horário de verão seria Missa das 9. Mas a Missa das 9:00 também ficou cheia e muitas pessoas novas estão chegando em nossa comunidade. Pessoas que se mudaram recentemente para o Centro e principalmente para o Condomínio Cores da Lapa que fica quase em frente à Capela do Menino Deus. Padre Sérgio ficou muito feliz ao ver a Igreja mais cheia que o normal nas duas Missas dominicais e espera que continue sempre assim. Padre Sérgio também reforçou o chamado para Catequese que está de volta a nossa Capela após 4 anos. Pediu para que todos que pudessem divulgassem que as inscrições estão abertas!


A Missa das 9 também estava cheia. No final da Missa uma família trouxe uma linda menina para apresentar a nossa comunidade. O nome dela é Alice. Aproveitamos e convidamos a toda família da Alice para se juntar a nossa comunidade que é tão acolhedora.

Fotos: Ariel Carvalho

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Alô PasCom! Vamos agitar o Vicariato Urbano!

Os Agentes e candidatos à Agentes de Pastoral da Comunicação das diversas Paróquias do Vicariato Urbano da Arquidiocese do Rio de Janeiro estão sendo convocados para a primeira reunião do PasCom de nosso Vicariato. Se você jpá pertence à PasCom não deixe de ir e se você ainda não é, mas deseja ser, essa é a hora! Segue abaixo o convite do Padre Julio Cesar, animador vicarial.

Amados irmãos, a paz!
 
Como animador da PASCOM no Vicariato Urbano, convido a todas as Paróquias de nosso Vicariato para o 1º Encontro da PASCOM.
 
DIA 26/02/2011 (Sábado) às 14h no Salão Superior da Matriz Santo André situado na Rua Bela, 1265, esquina com a Avenida Brasil em São Cristóvão!
 
Conto com a presença de todos! Temos muitos eventos da PASCOM em nossa Paróquia, Vicariato e Arquidiocese neste ano.
Deus os abençoe e obrigado pelo seu sim!
 
Pe. Júlio Cesar
PASCOM
Vicariato Urbano

Segue abaixo a Lista de todas as Paróquias do Vicariato Urbano e que deverão estar reunidas neste grande encontro:

1ª FORANIA

Vigário Forâneo: Pe. Roque Costa Souza


Catedral de São Sebastião

Av. República do Chile, 245
CEP: 20031-170   Centro
Tel.: 2240-2669   Fax 2262-7124
Pároco: Mons. Aroldo da Silva Ribeiro
Vigário: Pe. Luiz Fernando Ribeiro Santana

Nossa Sra. da Candelária

Praça Pio X, s/nª  
CEP: 20040-020   Centro
Tel.: 2233-2324
Mons. Elias Volpi

Nossa Sra. do Carmo da Antiga Sé

Rua Primeiro de Março, s/nº
CEP: 20050-000   Centro
Tel.: 2242-7766
Pe. Roque Costa Souza

Santíssimo Sacramento da Antiga Sé

Av. Passos, 50
CEP: 20051-040   Centro
Tel.: 2224-0205
Pároco: Mons. Barreto de Alencar
Vigário: Pe. Fernando Antônio Ferreira Lins

Senhor Bom Jesus do Monte

Praia dos Tamoios, 45
CEP: 20397-030   Ilha de Paquetá
Tel.: 3397-0270
Pároco: José Carlos Passos

2ª FORANIA
Vigário Forâneo: Pe. Sérgio Marcos Sá Ferreira

Nossa Sra. de Fátima

Rua Riachuelo, 367
CEP: 20230-012   Centro
Tel.: 2232-3640   Fax  2508-6581
Pároco: Pe. Paulo César , PODP
Vigário: Pe. Raimundo Pereira dos Santos

Sagrado Coração de Jesus

Rua Benjamin Constant, 42
CEP: 20241-150   Glória
Telefax: 2509-0044
Pároco: Pe. Wanderson José Guedes
Diácono: Vinicius Nelson Garcia de Souza

Sant’Ana

Praça Dom Sebastião Leme, 11
CEP: 20230-210   Centro
Tel.: 2224-0710   Fax 2222-1299
Pároco: Pe. José Laudares de Ávila, SSS
Vigários: Pe. Nelson Rodrigues Rabelo, SSS e Pe. Egidio Doldi, SSS   
               

Santa Teresa de Jesus

Rua Áurea, 71
CEP: 20240-210   Santa Teresa
Tel.: 2508-9268
Pároco: Pe. Silmar Alves Fernandes

Santo Antônio dos Pobres

Rua dos Inválidos, 42
CEP: 20231-040   Centro
Tel.: 2222-2586   Fax 2232-4781
Pároco: Pe. Sérgio Marcos Sá Ferreira
Emérito: Pe Abdias Lopes da Silva

 

São Basílio  - Rito Melquita

Rua Republica do Líbano, 17
CEP: 20061-030    Centro
Tel.: 2292-5953
Pároco: Georges Toufik khoury
Mons. Alphonse Nagib Sabbagh

3ª FORANIA

Vigário Forâneo: Pe. José Benedito Reis Filho


Sagrada Família

Rua do Livramento, 62/64.
CEP: 20221-190   Saúde
Te.: 2253-6343  2253-3645
Pároco: Pe. Arnaldo Leopoldo Sulzbach 
Pe. Jacob Inacio Kehl, MSF

 

Santa Catarina de Alexandria

Rua Senador Pompeu, 204
CEP: 20221-290   Saúde
Tel.: 2263-3233
Pároco: Pe. José Geraldo Gomes

Santa Rita

Largo de Santa Rita, s/nº.
CEP: 20091-000   Centro
Telefax: 2233-2731   2253-7564
Pároco: Pe. Pedro Cunha Cruz
Vigário: Pe. Antonio Bento Gomes Reis 
pedrocruz@hotmail.com

 

Santo Cristo dos Milagres

Praça Santo Cristo, s/nº.
CEP: 20220-760   Santo Cristo
Tel.: 2233-3874
Pároco: Pe. José Benedito Reis Filho
Vigário: Pe. Aurelino Pinto da Silva
Diácono: Walter Sotero de Andrade

4ª FORANIA

Vigário Forâneo: Pe. Flávio Ramos Vital  


Nossa Sra. da Consolata

Rua São Luiz Gonzaga, 1.869.
CEP: 20910-062   Benfica
Telefax: 3860-5519
Pároco: Pe. Flávio Ramos Vital

 

Santa Edwiges

Rua Fonseca Teles, 109.
CEP: 20940-200   São Cristóvão
Tel.: 2589-4851   Fax 2580-6992
Pároco: Pe. Divino Alves Pereira da Silva, CSS
Vigário: Jailson Dias dos Santos e Alécio Donizete Freire

Santo André

Rua Bela, 1.265.
CEP: 20930-381   São Cristóvão
Tel.: 2580-6234
Pároco: Pe. Júlio César Costa da Silva

 

São Cristóvão

Praça  Padre Seve, 10
CEP: 20931-760   São Cristóvão
Tel.: 2589-5802
Pároco: Monsenhor André Sampaio de Oliveira
Diácono Claudino Affonso Esteves Filho

São Januário e Santo Agostinho

Rua São Januário, 249.
CEP: 20921-000 São Cristóvão
Tel.: 2580-3284
Pároco: Pe. Frei Enéas Berilli, OAR
Vigários: Pe. Frei Pedro Olavo de Queroz Macedo e Pe. Frei Raimundo Nonato de Oliveira



Capela Menino Deus é notícia no Jornal da Carioca

Mais um fruto conquistado pela Pascom de nossa Capela já pode ser visto por diversas pessoas que circulam nos arredores do SAARA, Praça XV e Largo da Carioca no Centro do Rio. Tudo isso por conta da publicação divulgando o nosso Blog, telefone, endereço e algumas atividades de nossa Capela no Jornal da Carioca que é uma publicação bimestral de 10 mil exemplares e é realizada pelo Órgão Informativo da Sociedade Amigos da Carioca e Adjacências. Saiu na edição nº 87 de Janeiro/Fevereiro 2011 que ficou disponível nesta última semana aos leitores. O Jornal é gratuito e circula em alguns comércios da região da Carioca. Agradecemos a toda equipe do Jornal da Carioca que tem como Presidente o Senhor Roberto Cury.

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Sexta Musical: Lugar de Adoração


Música: Lugar de Adoração
Intérprete: Izaías (Canção Nova)

Anúncio da Campanha da Fraternidade 2011

A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro convida a todos para participar da Missa que será presidida por Dom Orani João Tempesta no dia 19 de fevereiro de 2011, próximo sábado, por ocasião do Anúncio Arquidiocesano da Campanha da Fraternidade de 2011. O encontro será as 9:00 na Catedral Metropolitana no Centro do Rio.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Bispos estão preocupados com a TV Brasileira


NOTA DA CNBB SOBRE ÉTICA E PROGRAMAS DE TV


Têm chegado à CNBB diversos pedidos de uma manifestação a respeito do baixo nível moral que se verifica em alguns programas das emissoras de televisão, particularmente naqueles denominados Reality Shows, que têm o lucro como seu principal objetivo. 
Nós, bispos do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP), reunidos em Brasília, de 15 a 17 de fevereiro de 2011, compreendendo a gravidade do problema e em atenção a esses pedidos, acolhendo o clamor de pessoas, famílias e organizações, vimos nos manifestar a respeito. 
Destacamos primeiramente o papel desempenhado pela TV em nosso País e os importantes serviços por ela prestados à Sociedade. Nesse sentido, muitos programas têm sido objeto de reconhecimento explícito por parte da Igreja com a concessão do Prêmio Clara de Assis para a Televisão, atribuído anualmente. 
Lamentamos, entretanto, que esses serviços, prestados com apurada qualidade técnica e inegável valor cultural e moral, sejam ofuscados por alguns programas, entre os quais os chamados reality shows, que atentam contra a dignidade de pessoa humana, tanto de seus participantes, fascinados por um prêmio em dinheiro ou por fugaz celebridade, quanto do público receptor que é a família brasileira. 
Cônscios de nossa missão e responsabilidade evangelizadoras, exortamos a todos no sentido de se buscar um esforço comum pela superação desse mal na sociedade, sempre no respeito à legítima liberdade de expressão, que não assegura a ninguém o direito de agressão impune aos valores morais que sustentam a Sociedade. 
Dirigimo-nos, antes de tudo, às emissoras de televisão, sugerindo-lhes uma reflexão mais profunda sobre seu papel e seus limites, na vida social, tendo por parâmetro o sentido da concessão que lhes é dada pelo Estado. 
Ao Ministério Público pedimos uma atenção mais acurada no acompanhamento e adequadas providências em relação à programação televisiva, identificando os evidentes malefícios que ela traz em desrespeito aos princípios basilares da Constituição Federal (Art. 1º, II e III). 
Aos pais, mães e educadores, atentos a sua responsabilidade na formação moral dos filhos e alunos, sugerimos que busquem através do diálogo formar neles o senso crítico indispensável e capaz de protegê-los contra essa exploração abusiva e imoral. 
Por fim, dirigimo-nos também aos anunciantes e agentes publicitários, alertando-os sobre o significado da associação de suas marcas a esse processo de degradação dos valores da sociedade. 
Rogamos a Deus, pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, luz e proteção a todos os profissionais e empresários da comunicação, para que, usando esses maravilhosos meios, possamos juntos construir uma sociedade mais justa e humana. 
Brasília, 17 de fevereiro de 2011 



Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB



Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus
Vice-Presidente da CNBB



Dom Dimas Lara BarbosaBispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Igreja de São José

End.: Av. Pres. Antônio Carlos, s/n
Bairro: Centro
CEP: 20020-010
Tel.: 2533-4545

Em 1608, havia no local onde hoje é a Rua da Misericórdia, esquina da Rua São José, uma pequena ermida, construída de pau e barro, de cobertura modesta, onde o povo católico do Rio de Janeiro venerava o Patriarca São José. Contando com inúmeros devotos que não mediam sacrifícios em favor de sua crença, o pequeno templo foi, paulatinamente, melhorando as suas humildes instalações, substituindo as paredes de barro por grossos muros de pedra, armando altares, proporcionando, enfim, maior conforto a todos os que ali buscavam uma esperança de salvação ou uma palavra de fé. E, num espaço de tempo relativamente curto, em lugar da acanhada ermida, erguia-se por fim, uma grande igreja, que chegou a ser uma das mais suntuosas do velho Rio de Janeiro.

Não se sabe, ao certo, a data em que foi fundada aqui a devoção de São José, nem os nomes dos seus fundadores, e nem, tampouco, se antes de 1608 havia no local da ermida um oratório público. Todos os documentos pertencentes ao arquivo da Irmandade foram perdidos durante o saque que sofreu a cidade em 1711, levado a efeito pelas tropas de Duguay-Trouin, que tudo destruíram. Nem os templos foram poupados à sanha dos assaltantes. Tudo foi revolvido, pilhado, roubado pelo bando de malfeitores que aqui aportara.
Sabe-se, no entanto, que em 1608, já existia a capela de São José, e isso de modo seguro, através de documentos e processos que, embora estranhos ao templo, trazem citações, datas e fatos a ele referentes. Assim, pode ser considerada como verdadeira a asserção de que a Irmandade de São José, se não é a mais antiga, é, pelo menos uma das primeiras instituídas no Rio de Janeiro, por isso que data do princípio do século 17.

A cidade do Rio de Janeiro, desenvolvia-se rapidamente. Em 1575, em 19 de julho, o Papa Gregório XIII, atendendo ao pedido formulado pelo rei Dom Sebastião, de Portugal, elevava o Rio de Janeiro à categoria de Prelazia, tornando a cidade, por esse ato, independente da jurisdição espiritual da Bahia.
Como se sabe, havia no Morro do Castelo, hoje demolido, a Igreja de São Sebastião, que gozava das regalias de Matriz do Rio de Janeiro, pois em 1659, Dom Pedro Leitão, Bispo do Brasil com residência em Salvador, criara naquele outeiro carioca a freguesia da Sé, a primeira, aliás, que teve esta cidade. A devoção de São José, nesse tempo, já tinha incontáveis fiéis, e o seu templo era procurado com mais freqüência do que o do Castelo, principalmente por ser mais accessível. As visitas ao morro eram mais difíceis e mais penosas, e o povo compreendia que o culto a Deus poderia ser prestado em qualquer templo. Daí a preferência em assistir aos ofícios religiosos na ermida de São José.
Dessa forma, já em 1659, era reduzido o número de fiéis que procuravam a Igreja de São Sebastião, que, assim, jazia num meio abandono. Por outro lado, a Sé, não resistindo ao passar do tempo, estava quase em ruínas, e a Câmara, a quem cabia a obrigação de repará-la, confessava ao Governador da cidade a sua impossibilidade de atender a este dever, em virtude da falta de recursos pecuniários.
A situação era angustiosa. E a única solução que no momento ocorreu ao prelado, Dr. Manoel de Souza e Almada, foi transformar em Sé a ermida de São José.
Essa atitude, no entanto, foi recebida com desagrado pela Irmandade que não desejava de modo algum ter em seu meio elementos que não se recomendavam à sua simpatia; e o prelado não era bem quisto entre os componentes daquela congregação.
Esse fato tomou vulto, os ânimos se exacerbaram, surgiram ameaças do prelado, promessas de revide da parte contrária, e até a Câmara foi convocada a intervir no assunto. Da discussão, por fim, acordaram todos em que devia ser enviada uma representação ao rei, em Lisboa, relatando o caso, e pedindo solução definitiva à dissensão. E assim foi feito.
Despachada a carta a Dom Afonso VI, este logo mandou a resposta: – ordenava peremptoriamente que a Sé continuasse no Castelo!
Tranqüilizou-se, assim, a cidade, e a Irmandade de São José tornou à paz em que sempre vivera.

No princípio do século 19 a igreja de tão danificada, ameaçava ruir. Impunha-se, portanto, com urgência, que se cuidasse da sua reconstrução.
Em 1806, reunidos os irmãos, ficou resolvido que, havendo algum recurso guardado, se procedesse imediatamente ao levantamento de um novo templo. Em sessão de Mesa, de 25 de janeiro e de 21 de junho de 1807, foi aprovada a planta da igreja que viria substituir a antiga ermida, e que ainda hoje é admirada como uma expressão de arte do seu tempo.
Iniciando a obra, teve lugar a solenidade da colocação da urna com os documentos relativos à edificação. Assim, do lado do evangelho, no interior da parede do arco cruzeiro, o Vigário Inácio Pinto da Conceição, juntamente com vários irmãos e outros sacerdotes, depositavam uma caixa de chumbo contento o desenho do templo, uma moeda de ouro no valor de Rs. 6$400, uma de prata de Rs. $640, e uma de cobre de Rs. $040. Transcrevemos a seguir o documento referente ao levantamento da igreja:
– “Governando a Suprema Igreja Católica Romana o Santíssimo Papa Pio VII no VIII ano de seu Pontificado: Reinando na Monarquia portuguesa a Fidelíssima Rainha D. Maria I, Nossa Senhora, por seu Filho o Príncipe Regente, N. S. D. João: sendo Bispo deste Bispado Excelentíssimo e Reverendíssimo D. Joseph Caetano da Silva Coutinho, Capelão-mor da Casa Real: E Vigário desta freguesia o Reverendo Ignácio Pinto da Conceição: Servindo de juiz na nossa Irmandade o irmão Tenente-Coronel Joaquim Ribeiro de Almeida, e de Secretário, Tesoureiro, Procurador, Assistentes e irmãos de Mesa os abaixo assinados: Por resolução das Mesas conjuntas de 13 de julho de 1806 e 26 de janeiro de 1807, acordaram, a custa dos rendimentos da dita Irmandade, reparar as ruínas, e aperfeiçoar as antiguidades deste templo, fundado em nove braças de terreno na frente com os fundos até o mar, na Rua Direita do Carmo para a Misericórdia, por doação, que no ano de 1608 fez Ilustríssimo Dom Luiz de Almeida, sendo governador nesta capitania, confirmada pelo memorável Senhor Rei Dom João IV.
Em 9 de janeiro de 1751 foi criada a terceira freguesia nesta capital. Para assim constar se faz o presente padrão em perpétua memória na reedificação e construção da Igreja dedicada à Gloria e Veneração de São Joseph, pela devota irmandade, na Capital do Reino de Portugal, no Rio de Janeiro, aos 22 do mês de Dezembro do ano de MDCCCVIII. E eu, João Lopes da Silva Couto, secretario atual da dita Irmandade, o fiz escrever e assinei”.
As obras do novo templo, que tiveram para sua ajuda, além das dádivas espontâneas do povo, oito loterias (cada uma com 8000 bilhetes) concedidas pelo governo real, terminaram em 1824, tendo sido em 10 de abril desse ano inaugurado o edifício com toda a solenidade.



Logo à entrada, à esquerda, está localizado o batistério, onde milhões de infantes têm recebido o sacramento instituído por Cristo. Ao correr das paredes, os altares dos santos, entre os quais se destacam os de N. S. das Dores, do Sagrado Coração de Jesus, de N. S. do Amparo, de São Miguel e das Almas, todos artisticamente decorados, tendo ao pé a imagem do Cristo crucificado. Há ainda nos muros laterais os quadros representativos da Via Sacra, pintados caprichosamente, encimados todos por um feixe de lâmpadas elétricas. Do teto, pendentes, ricos lustres de metal. As cortinas que enfeitam o templo são de damasco de seda, de cor vermelha, com franjas douradas.
Dominando o altar da capela-mor, iluminada por dois lustres com 21 lâmpadas, a imagem do Padroeiro, em grande tamanho, chama logo a atenção de quem entra no templo. É um soberbo trabalho, modelado carinhosamente, de fisionomia doce e olhar suave, espargindo misericórdia. No braço esquerdo o Menino-Deus, e à direita o lírio – símbolo da castidade. Essa imagem de São José, protetor da família universal, deve ser a maior entre todas as existentes nos vários templos da cidade.
No centro da nave, os bancos para o povo que procura ouvir na igreja a palavra divina, através dos seus ministros.
A Irmandade possui preciosas alfaias, cortinas, e outros ornamentos, que tornam ainda mais atraente aquele venerável santuário.
Por trás do altar-mor há um grupo de imagens magníficas. É como se fosse uma reconstituição dos últimos momentos de vida de São José. Vê-se ali o glorioso Patriarca, já velhinho, deitado num leito simples, tendo, ao seu lado, compungidos, a Virgem Maria e Jesus. Qualquer pessoa que ali vá pela primeira vez, fica vivamente impressionado com aquela visão de absoluto realismo, tal a expressão das imagens expostas.
Na sacristia, que é simples e confortável há, entre os dois arcazes de jacarandá lavrado, um altar sobre o qual pousa uma outra imagem de São José, vinda de Paris, em 1884, e oferecida à Irmandade pelo Comendador José Pinto de Oliveira. Nas paredes da sacristia estão colocados retratos pintados a óleo, do Padre João Procópio da Natividade e do Monsenhor Dr. Benedito Marinho, grande orador sacro, que exerce o cargo de Vigário da Igreja de São José desde 19 de maio de 1912.

Há nas duas torres do templo um carrilhão famoso; os seus sinos são reputados os mais sonoros do Rio de Janeiro. Valem, só eles, por toda uma grande orquestra em que figurassem todos os instrumentos. Em dias festivos lançam nos ares, fazendo-se ouvir a longínquas distâncias, não somente o som do seu bronze magnífico – mas músicas inteiras habilmente executadas. Assim é que já ouvimos cheios de entusiasmo, o belo hino do Brasil, a “Marselhesa”, e ainda outras marchas patrióticas que despertam sempre sentimentos de amor, de fé e de civismo.
  Fotos: Ariel Carvalho
Texto: Blog RememorArte

Translate